Contra a invasão do betão, pela qualidade de vida de quem vive no nosso Concelho !

27
Ago 07

escolaVS.jpg antenas1.jpg


Escola E.B. 2º e 3º ciclos Vasco Santana, em Odivelas


Possíveis efeitos adversos para a saúde decorrentes da exposição pública às radiações dos campos electromagnéticos


 


As preocupações da opinião pública com os possíveis efeitos adversos para a saúde decorrentes da exposição pública às radiações dos campos electromagnéticos explodiram quando Paul Brodeur escreveu uma série de artigos no New York Magazine em Junho de 1989. Dada a reputação de Paul Brodeur, estes artigos tiveram um efeito catalítico nos cientistas, jornalistas e nas pessoas em todo o mundo. Em Novembro de 1989, o Departamento de Energia relatou que “é hoje aceite na generalidade que há de facto efeitos biológicos devidos à exposição aos campos”.


 


Em 1990, foram feitos mais de cem estudos em todo o mundo. Destes, pelo menos duas dúzias de estudos epidemiológicos em seres humanos indicavam uma ligação entre os Campos Electromagnéticos (CEM) e graves problemas de saúde. Em resposta à pressão pública, a EPA começou a analisar e a avaliar a literatura disponível.


 


Num relatório publicado em Março de 1990, a EPA (Environmental Protection Agency) recomendava que os CEM’s fossem classificados como cancerígenos de Classe B – um provável “cancerígeno humano” e que fosse colocado ao lado do formaldeído, do DDT, das dioxinas e dos bifenis policlorinados.


 


Depois de publicado o relatório da EPA, os lobbies dos serviços, dos computadores e militares atiraram-se à EPA. A revisão final da OPA NÃO classificou os CEM’s como cancerígenos da Classe B. Em vez disso, foi acrescentada a seguinte explicação:


 


“Nesta altura não é adequado caracterizar a ligação entre o cancro e a exposição aos CEM’s porque ainda não se conhece a natureza básica da interacção entre os CEM’s e os processos biológicos que provocam o cancro”.


 


Curiosamente, esta lógica bastante invulgar aparece na mesma página, dizendo o seguinte: “Em conclusão, diversos estudos que mostram que a leucemia, o linfoma e o cancro do sistema nervoso em crianças expostas, apoiados por idênticas conclusões em adultos em vários estudos ocupacionais que também envolvem exposição a frequências de energia eléctrica, mostram um padrão consistente de resposta que aponta para uma relação causal”.


 


Quando questionado sobre a natureza contraditória destas afirmações, a EPA respondeu que “não era adequado” usar o rótulo de cancerígeno provável até se demonstrar como é que os CEM’s provocavam cancro e até que ponto exactamente é que um CEM é nocivo.


 


Esta explicação não satisfaz muitos críticos que afirmam que as altas chefias da EPA foram influenciadas por considerações políticas e económicas exercidas pelos lobbies dos serviços, dos computadores e militares


 


Com a evolução da tecnologia das telecomunicações, nomeadamente a dos telemóveis, nos países europeus, essa preocupação acentuou-se, obrigando os governantes a prestar mais atenção às evidências de estudos científicos e outras informações que apontam para a possibilidade de interferência nociva das microondas nos seres vivos.


 


Na década de 90 começa a ser emitida legislação que manifesta preocupação com esses possíveis efeitos adversos.


 


Destacamos:


 


- Resolução de 5 de Maio de 1994 do Parlamento Europeu, que convida a Comissão a propor “normas tendentes a limitar a exposição dos trabalhadores e do público às radiações electromagnéticas não ionizantes”;


 


- Recomendação nº 1999/519/CE do Conselho da União Europeia, de 12 de Julho


 


No preâmbulo, pode ler-se:


“ É imperativo proteger a população na Comunidade contra os comprovados efeitos adversos para a saúde susceptíveis de resultar da exposição a campos electromagnéticos”. Reconhece-se que “apenas foram utilizados como base da limitação recomendada à exposição os resultados comprovados” e recomenda-se que “O quadro deverá ser revisto e reavaliado periodicamente à luz dos novos conhecimentos e da evolução da tecnologia”. Assinala-se que “os Estados-Membros podem estabelecer um nível de protecção mais elevado do que o previsto na presente recomendação”.


publicado por antonio ribeiro às 06:23

24
Ago 07
publicado por antonio ribeiro às 20:18

22
Ago 07

antenas.jpg


Porque é que a Câmara Municipal de Odivelas e a Direcção Regional de Educação de Lisboa (DREL) , autorizaram a colocação de Antenas Base de Telemóvel nos telhados da Escola, pública, de Ensino Básico 2º e 3º Ciclos Vasco Santana, na freguesia da Ramada?


Será que o dinheiro vale mais do que a saúde das centenas de crianças, professores e auxiliares de educação que ali estudam e trabalham?


Passamos a transcrever informação dada pela Direcção Geral de Saúde sobre estas Antenas:


"1. Face às incertezas existentes relativamente aos possíveis efeitos nocivos da exposição a campos electromagnéticos, a Comissão Europeia emitiu a Recomendação do Conselho nº 1999/519/CE, de 12 de Julho, que estabelece um quadro de restrições básicas e níveis de referência relativos à exposição da população a campos electromagnéticos, incluindo os utilizados pelos sistemas de comunicações móveis.


(...)


3. Em caso de dúvida relativamente aos níveis de radiação electromagnética no local, poderá ser solicitado à autoridade competente uma medição in loco.


4. Independentemente do ponto anterior, considera-se uma questão de “boas práticas” a preocupação de evitar que os feixes principais das antenas das estações-base incidam sobre zonas consideradas sensíveis, como sendo escolas e hospitais.

 

5. Salienta-se ainda que a instalação destes equipamentos carece de autorização municipal, conforme previsto no Decreto-Lei nº 11/2003, de 18 de Janeiro. Compete às câmaras municipais e ao ICP-ANACOM a fiscalização destes elementos."

 

Perguntamos nós:

 

"Face às incertezas existentes", não seria mais sensato a proibição total da colocação deste tipo de antenas em Escolas?

 

À Câmara de Odivelas e à DREL não lhes interessa eventuais danos na saúde da população desta Escola, entre ela centenas de crianças?

 

O que pensa a Associação de Pais?
publicado por antonio ribeiro às 22:35

03
Ago 07

ng1017633.jpg


 " Se tivesse ficado calada teria visto renovada a minha comissão de serviço. Sei exactamente as condições que essa renovação exigia - o meu silêncio "


Dalila Rodrigues, recém despedida directora do Museu Nacional de Arte Antiga, in Público de 3 de Agosto

publicado por antonio ribeiro às 07:39

02
Ago 07

Já tinham votado juntos nas negociatas do Parque Mayer e agora para quem não percebia a quem é que o fazia falta, o acordo assinado ontem para a Câmara de Lisboa, acabou por mostrar qual o papel do Bloco de Esquerda (BE) no espectro político português.


O e o BE  fazem falta...ao PS


estrela.jpglogo_ps_cor.jpg

publicado por antonio ribeiro às 07:08

Agosto 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
23
25

26
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos
2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


arquivos
2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO